sexta-feira, 22 de outubro de 2010

As delícias de Belo Horizonte


Do alto do mirante da Praça do Papa ou ao entorno da Lagoa da Pampulha pode-se ver muitos dos belos horizontes que a capital mineira oferece. Riquíssima no estilo de suas construções arquitetônicas e de seu povo, Belo Horizonte é uma delícia a ser explorada.

Na Praça da Estação, onde a cidade começou a ser construída, por causa do transporte ferroviário, foi erguido um museu dividido justamente pelo trem. De um lado e de outro, a história do trabalho, representada por materiais de diversos ofícios. No meio, a evolução do transporte, com o trem. É incrível atravessar as duas partes do museu ouvindo o barulho do trem logo acima.

Eu e meus anfitriões na Lagoa da Pampulha. Na foto que abre o post, com o Mineirão logo atrás.

O centro do poder executivo mineiro se concentra na Praça da Liberdade. O mais legal de lá é a mistura de estilos dos seus prédios e praças: pode-se perceber a influência do neoclássico do final do século XIX, a art déco dos anos 40, o estilo moderno dos anos 50 e 60 e o pós-moderno dos anos 80. A passagem das palmeiras é de tirar o fôlego.
Sensualizando na Praça da Estação. Os chafarizes nunca são ligados. Nesse dia todos estavam funcionando.

Pra quem curte arquitetura e design, a cidade encanta. Pra quem adora uma comida caseira e bem temperada, é o melhor destino. No primeiro quesito, Oscar Niemeyer é o responsável pelo charme e personalidade do lugar. A Pampulha é sede de alguns de seus principais projetos: Casa de Baile, Museu de Arte e a famosa igreja da Pampulha.
Em frente ao Palácio do Governo.

Comer e beber Belo Horizonte é um caso à parte. Bobagem falar dos pães de queijo, do próprio queijo e do doce de leite. Isso se torna lugar comum no primeiro café da manhã. Embaixo do prédio em que eu e meus amigos estávamos hospedados, tinha uma padaria mega gostosa que oferecia coisas maravilhosas a preços inacreditavelmente baixos. O restaurante próximo dali oferecia o melhor bife acebolado que já comi na vida. Só provando o tempero mineiro pra se ter noção do que estou falando. E eu provei bastante ;)
The brieftaking palm.

Para comprar esses ítens é só correr pro Mercado Central, fervilhante de pessoas e ofertas, ou então pra Feira Hippie. Desses lugares trouxe várias lembranças fofas e presentinhos pros amigos e pra família. A Carolina ficou alucinada com o cintinho de dar volta e amarrar da Jey, marca que eu descobri lá e toma conta da cidade.
Confesso que não é o melhor de BH a Igreja da Pampulha...

Sair à noite caminhando pra beber e dançar na Savassi, o bairro mais charmoso e rico da cidade é sempre uma surpresa. Clubs de música eletrônica super descolados se misturam a botecos cheios de charme, sushi bars e pracinhas encantadoras. Em cada rua há uma mini praça. Inacreditável.
A Casa de Baile é linda. Tem esse nome porque era um lugar para festas.

Jamais vou esquecer das diferenças de expressões que nos fizeram cair na gargalhada diversas vezes, do programa que eu, o Lucas e o Willian fizemos no McDonalds comentando os looks das pessoas depois da festa, da infindável caminhada até o Museu de Tecnologia da Oi, que foi o mais legal que já visitei.

Jey hooooooo! haha

As bonitas se encontram na Josefine. Acima as tops no último carnaval. É uma delícia lá!

Reações:

3 se meteram:

Olá, estive em Belo Horizonte de julho a setembro de 2010, foram os melhores dias de ferias dos últimos tempos, as pessoas que conheci, as festas que fui, as comidas que comi, os lugares que visitei, em fim.. tudo ai é ótimo (ate o clima) mais embora eu tenha adorado BH, ainda sim moraria na minha pequena e pacata cidade PVH bom, adorei ler seu post, senti uma nostalgia rsrsr
abraço.

Oi, Alexandre!

Passei pra avisar que o Very Pink Smile está de volta! Espero contar com suas visitas e comentários novamente. :)

Beijos!
Mara
http://verypinksmile.blogspot.com

Que fofo!!!
Você esteve aqui!!!
Que post legal sobre a minha terrinha!!!
Adorei e fico feliz que tenha gostado daqui!
Beijo!