domingo, 22 de junho de 2008

Lenço Palestino, quem vai?


Ele não é só um acessório de moda. Ele não é um simples lenço "xadrezinho". Ele não é apenas o hype de ocasião.

A tal peça é na verdade, o keffiyeh, ou shemag, o tal lenço palestino.

Quem o levou para a passarela foi Balenciaga, em sua antepenúltima coleção, o que quer dizer que não é mais "novidade". Mundo afora, homens e mulheres desfilam pelas ruas com seus lenços sobre camisetas, vestidos e até casacos.

Para muitos árabes, o fato de a moda banalizar os keffiyehs pode significar falta de respeito ou má sorte. Isso porque o lenço xadrez – que pode ser preto e branco, azul e branco ou vermelho e branco, basicamente – é um símbolo cultural e político.

Por tradição, é um adereço do homem árabe e, desde os anos 60, representa o nacionalismo palestino, especialmente depois de ter sido a marca registrada de seu ex-líder Yasser Arafat, falecido em 2004.

O lenço legítimo está com os dias contados. As várias tecelegens originais acabaram, e há apenas uma confeccionando o produto, na Cisjordânia. E, mesmo ela, vai mal. O negócio é comprar o de Balenciaga ou apelar para as cópias chinesas.

E aí, qual o grau desse bafo?

De 1 a 10: 8!

O porquê: Porque o mundo todo usa, fala bem ou mal, quer muito, ou detesta. Porque foi raptado do povo árabe e virou tumulto.

Reações:

0 se meteram: